Desafio Unicamp oferece oportunidade para quem tem sonho de empreender

Texto: Thais Oliveira

Uma das grandes dificuldades de quem sonha em ter o próprio negócio está na falta de experiência. Empreender é sempre um desafio que começa com uma boa ideia. O Desafio Unicamp oferece os dois.  Em 11 anos, a competição já capacitou mais de 3000 pessoas, recebeu diversos reconhecimentos e foi palco de disputas de pitch acirradas. 

A cada edição, o portfólio do programa se renova e as equipes têm à disposição patentes para serem exploradas e transformadas em negócios. Neste ano, por exemplo, 116 patentes da Universidade foram disponibilizadas. Somado a isso, as capacitações fornecem as ferramentas para quem nunca atuou na área de negócios. 

Ao todo, 579 equipes já passaram pelo Desafio. Entre elas, a Plasmáticos, campeã da edição de 2020. O doutorando em Química Analítica pela Unicamp, Reverson Fernandes Quero foi um dos integrantes do grupo. Ele conta que a motivação de empreender esteve presente desde o primeiro momento. Por isso, a equipe fez uma análise alinhando quais patentes disponíveis possuíam os mercados de aplicação mais promissores. 

Devido ao contexto da pandemia, a equipe escolheu uma patente sobre um método de descontaminação de alimentos, principalmente carnes. A princípio, ele lembra que o foco do modelo de negócio era a venda de máquinas de descontaminação. Ao implementar as validações obtidas durante a competição, o objetivo se alterou. A equipe decidiu fornecer os equipamentos de forma gratuita, revertendo o faturamento conforme o volume de alimentos descontaminados. 

“A visão que nós temos como startup é muito diferente da que tínhamos no início como pesquisadores. Com as capacitações do Desafio Unicamp, conseguimos oferecer a tecnologia para o mercado e entender suas necessidades. O conhecimento do empreendedorismo, somado ao da academia, nos fez enxergar como ir além de apenas sanar problemas da sociedade, mas transformar soluções em desenvolvimento socioeconômico” explicou Reverson.

O valor do prêmio de R$ 15 mil reais foi investido na implementação da empresa Plasmotech, onde ele atua como CEO. A startup está na fase de busca por investimentos e, recentemente, foi aprovada no programa Catalisa do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE). A iniciativa promove uma jornada de aceleração e fomento para pesquisadores oferecendo capacitação em gestão, mentorias, além de conexões com o universo empresarial. 

Conexão com empreendedorismo

 

Se a equipe Plasmáticos tinha o intuito de empreender desde o início, o caso de Maria Cristina Nucci Mascarenhas, foi diferente. A CTO da empresa Noviga contou que a motivação para participar do Desafio Unicamp, em 2015, veio da vontade de assistir ao Workshop de Lean Canvas, metodologia de modelagem de negócios e principal atividade capacitadora.  

Ao saber da necessidade de escolher uma patente para desenvolver um modelo de negócio, ela utilizou a própria invenção: Um processo de obtenção de cristais de gordura microencapsulados, que fez parte da sua tese de doutorado.  Junto à equipe formada, Maria Cristina foi finalista da competição e seguiu com o projeto, empreendendo na empresa Noviga.  

Após o licenciamento da patente, a startup de ingredientes alimentícios também conseguiu o financiamento do programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE), que apoia a execução de pesquisa científica e/ou tecnológica em micro, pequenas e médias empresas, da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).

Além de inspirar a trajetória empreendedora, Maria Cristina ainda mantém os laços com o programa por meio da mentoria voluntária. Para ela, às vezes o que falta às pessoas com potencial é uma boa ideia, portanto a obrigatoriedade da patente proporciona uma garantia do desenvolvimento de um negócio que é inovador. Entre as equipes apoiadas, ela já foi responsável por auxiliar dois grupos até o final e considera a atividade muito positiva. 

“Eu adoro dar a mentoria, porque, como fiz parte do mesmo processo e também empreendi pós-competição, consigo ajudar as equipes a questionarem o que estão desenvolvendo, a enxergarem outras realidades”, comentou a CTO da Noviga.

Sobre o Desafio Unicamp

 

O Desafio Unicamp é uma competição de modelagem de negócio em que os participantes devem empreender com base em tecnologias da Unicamp. Para participar da competição, é preciso formar uma equipe de três a cinco pessoas, escolher uma das 116 tecnologias disponíveis no portfólio e, então, realizar a inscrição. Submissões podem ser feitas até 31 de março.

A primeira capacitação da competição, o Workshop Desafio Unicamp, ocorre no dia 17 de abril e tem o objetivo de apresentar conceitos de inovação, metodologia Lean Canvas e um case de empreendedor. Confira a agenda completa da competição no site.

Os patrocinadores da 11º edição do Desafio Unicamp sãoClarke e ModetFM2S – Educação e ConsultoriaNeger TelecomVia Consulting

Os apoiadores da 11º edição do Desafio Unicamp são: Agência Unesp de InovaçãoCampinas TechCastelo Creative SpaceCenagri JuniorEsalq Jr ConsultoriaIncampNúcleo CampinasParque Científico e TecnológicoPrefeitura de CampinasUni AngelsVenture Hub