Deprecated: Required parameter $args follows optional parameter $depth in /var/www/html/inovaunicamp/wp-content/themes/bridge/includes/nav_menu/qode-menu.php on line 76

Deprecated: Required parameter $output follows optional parameter $depth in /var/www/html/inovaunicamp/wp-content/themes/bridge/includes/nav_menu/qode-menu.php on line 76

Deprecated: Required parameter $args follows optional parameter $depth in /var/www/html/inovaunicamp/wp-content/themes/bridge/includes/nav_menu/qode-menu.php on line 286

Deprecated: Required parameter $output follows optional parameter $depth in /var/www/html/inovaunicamp/wp-content/themes/bridge/includes/nav_menu/qode-menu.php on line 286

Deprecated: Required parameter $args follows optional parameter $depth in /var/www/html/inovaunicamp/wp-content/themes/bridge/includes/nav_menu/qode-menu.php on line 386

Deprecated: Required parameter $output follows optional parameter $depth in /var/www/html/inovaunicamp/wp-content/themes/bridge/includes/nav_menu/qode-menu.php on line 386

Deprecated: Required parameter $args follows optional parameter $depth in /var/www/html/inovaunicamp/wp-content/themes/bridge/includes/nav_menu/qode-menu.php on line 479

Deprecated: Required parameter $output follows optional parameter $depth in /var/www/html/inovaunicamp/wp-content/themes/bridge/includes/nav_menu/qode-menu.php on line 479

Warning: The magic method Bridge\Shortcodes\Lib\ShortcodeLoader::__wakeup() must have public visibility in /var/www/html/inovaunicamp/wp-content/plugins/bridge-core/modules/shortcodes/lib/shortcode-loader.php on line 27
FCM é unidade destaque em parcerias no Prêmio Inventores 2020 - Inova

FCM é unidade destaque em parcerias no Prêmio Inventores 2020

FCM lidera em número de licenciamentos de tecnologias em 2019 e é reconhecida como unidade destaque do Prêmio Inventores 2020 nesta categoria

Texto por Juliana Ewers
Foto por Pedro Amatuzzi

No ano em que Saúde liderou as manchetes dos jornais pelo mundo todo e foi tema dos fóruns de organizações mundiais até conversas de ponto de ônibus do bairro, a Agência de Inovação Inova Unicamp reconhece a Faculdade de Ciências Médicas (FCM) por sua contribuição à transferência de tecnologias que nasceram nas bancadas de laboratórios e nas salas de estudos da universidade e chegaram ao mercado, beneficiando diretamente a sociedade.

A FCM foi a unidade que mais licenciou tecnologias em 2019. Foram sete licenciamentos: cinco referentes ao software CranFlow, da professora Vera Lúcia Gil da Silva Lopes, e dois ligados à tecnologia de Fios de Sutura, dos docentes Joaquim Murray Bustorff e Ângela Cristina Malheiros Luzo.

Fato que expôs ainda mais a importância do estímulo à pesquisa e ao desenvolvimento, na visão de Sposito, foi a pandemia de COVID-19. “A ciência costuma passar despercebida da sociedade, até por ser algo muito técnico e distante da realidade das pessoas. Mas são momentos como esse que ressaltam o quanto fazer ciência é relevante. Um processo que tradicionalmente é mais lento e minucioso tem hoje diante de si o desafio de fazer algo rápido, harmônico e orquestrado à nível mundial. Daí a importância de um arcabouço científico forte”, afirma.

Os números da inovação

A Faculdade de Ciências Médicas possui hoje 108 pedidos ativos no INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial), sendo 72 registros de patentes e 36 programas de computador. Entre os domínios tecnológicos, Farmacêutica e Tecnologia Médica se destacam como as mais proeminentes. O tempo médio entre pedido e concessão gira em torno de 11 anos, de acordo com o departamento de Propriedade Intelectual da Inova Unicamp.

De acordo com Sposito, outra marca forte da FCM são os projetos em colaboração. Além de terem tecnologias desenvolvidas em parceria com outras unidades da própria Unicamp, Unesp, com três patentes em cotitularidade, e Unioeste, com cinco, foram as instituições de destaque nessas interações. “Destaco, inclusive, a força-tarefa contra o COVID-19 realizada no âmbito da universidade, com a criação de grupos multidisciplinares, envolvendo não só a FCM, mas muitas outras unidades da Unicamp”, completa.

Contato com o mercado para uma formação melhor

Os benefícios da pesquisa aplicada a necessidades reais extrapolam ainda para a formação mais sólida dos alunos envolvidos nessas atividades. “Saem daqui profissionais que valorizam a ciência, que sabem identificar oportunidades e que desenvolvem um pensamento lógico para resolver problemas”, avalia Sposito.

Exemplo disso é o aluno doutorado da FCM, Bruno Bosch Volpe, que atuou junto dos professores Joaquim Murray Bustorff e Ângela Cristina Malheiros Luzo no projeto que originou a patente do fio de Sutura. A tecnologia é aplicável a tratamentos e processos de cicatrização e recuperação de tecidos, tanto em humanos quanto animais, sem fibrose.

“Eu me envolvi muito com o projeto e fui observando que o que começou no escopo de pesquisa encontrou caminhos para dar certo e ajudar muitas pessoas. Tornou-se um propósito pessoal de oferecer algo mais eficaz e mais barato ao sistema de saúde”, afirma Volpe.

Em termos práticos, a tecnologia, que aguarda processos clínicos no momento, representa um grande avanço na recuperação de pacientes. No caso da doença de Crohn, uma infecção no sistema digestivo que acomete mais de 150 mil brasileiros todos os anos,  significa o processo de cicatrização de 7 a 10 dias, diminuindo o tempo de internação do paciente e melhorando ainda a qualidade de vida pós cirúrgica.

À medida que o projeto foi avançando, oportunidades de transformá-lo em negócio foram avançando em paralelo. Em 2015, a tecnologia foi escolhida por um grupo de alunos da graduação para participar do Desafio Unicamp, competição de modelos de negócios para as patentes da Unicamp, liderada pela Agência de Inovação da Universidade. À época, Bruno Volpe atuou como mentor acadêmico dos alunos, cooperando com o entendimento da tecnologia e suas aplicações. “No começo, eu era muito novo. Não tinha viés de negócio e nem compreensão de todo esse processo. Foi então que percebi que a pesquisa tinha sim, potencial para ser um produto de inovação brasileira”, relembra.

Decidiu então que era hora de apostar. O estudante de doutorado decidiu empreender, fundando a IBB – Inovações em Biomateriais, ao lado dos sócios Álvaro Cesar Vieira de Oliveira e Roberto Mountran de Oliveira, e sendo a empresa a responsável pelos dois licenciamentos da tecnologia Sutura no ano passado.

Com o mesmo propósito de fazer a diferença, a professora Vera Lúcia Gil da Silva Lopes atuou no desenvolvimento da CranFlow, uma ferramenta para gerenciamento de base de dados em anomalias craniofaciais.

O Brasil é considerado uma referência mundial no tratamento de anomalias craniofaciais, com hospitais públicos de excelência desempenhando esse trabalho. Entretanto, segundo a docente, o país esbarra na dificuldade de acesso à avaliação diagnóstica e aconselhamento genético das famílias, que consiste em verificar a probabilidade de doença genética.

Desenvolvida com a colaboração da professora Isabela Lopes Monlleó, da Universidade Federal de Alagoas e as bolsistas Roberta Aquino, Elaine Lustosa-Mendes e Maria Fernanda Bittar, foram três anos dedicados à tecnologia entre desenho, desenvolvimento, implantação e fase de teste. Hoje, o software está licenciado gratuitamente para seis locais e há ainda quatro em tramitação. “Desses, cinco são hospitais de alta complexidade para tratamento de anomalias craniofaciais”, revela.

No momento, cerca de 1,6 mil famílias estão registradas no sistema. Dessas famílias, cerca de 650 puderam ser atendidas para investigação e aconselhamento genético. Com os dados e segmentos clínicos, a CranFlow poderá dar subsídios às políticas públicas nessa área. “E, no futuro, propiciar abordagens baseadas em evidências específicas da população brasileira, inclusive regionalizadas.”